segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Diariamente


E

Para calar a boca: Rícino
E6
Pra lavar a roupa: Omo
F#/E E
Para viagem longa: Jato
A Am7
Para difíceis contas: Calculadora
E
Para o pneu na lona: Jacaré
E6
Para a pantalona: Nesga
F#/E E
Para pular a onda: Litoral
A Am7
Para lápis ter ponta: Apontador
E
Para o Pará e o Amazonas: Látex
E6
Para parar na pamplona: Assis
F# / E E
Para trazer à tona: Homem - Rã
A Am7
Para a melhor azeitona: Ibéria
E
Para o presente da noiva: Marzipã
E6
Para Adidas o Conga: Nacional
F# / E
Para o outono a folha: Exclusão
E A Am7
Para embaixo da sombra: Guarda - Sol
E
Para todas as coisas: Dicionário
E6
Para que fiquem prontas: Paciência
F# / E
Para dormir a fronha: Madrigal
E A Am7
Para brincar na gangorra: Dois
E
Para fazer uma toca: Bobs
E
Para beber uma coca: Drops
E
Para ferver uma sopa: Graus
E A Am7
Para a luz lá na roça: 220 volts
E
Para vigias em ronda: Café
E6
Para limpar a lousa: Apagador
F# / E
Para o beijo da moça: Paladar
E A Am7
Para uma voz muito rouca: Hortelã
E
Para a cor roxa: Ataúde
E6
Para a galocha: Verlon
F# / E
Para ser moda: Melancia
E A Am7
Para abrir a rosa: Temporada
E
Para aumentar a vitrola: Sábado
E6
Para a cama de mola: Hóspede
F# / E
Para trancar bem a porta: Cadeado
E A Am7
Para que serve a calota: Volkswagen
E
Para quem não acorda: Balde
E6
Para a letra torta: Pauta
F# / E
Para parecer mais nova: Avon
E A Am7
Para os dias de prova: Amnésia
E
Para estourar a pipoca: Barulho
E6
Para quem se afoga: Isopor
F# /E
Para levar na escola: Condução
E A Am7
Para os dias de folga: Namorado
E
Para o automóvel que capota: Guincho
E6
Para fechar uma aposta: Paraninfo
F# / E
Para quem se comporta: Brinde
E A Am7
Para a mulher que aborta: Repouso
E
Para saber a resposta: Vide - o - Verso
E6
Para escolher a compota: Jundiaí
F# / E
Para a menina que engorda: Hipofagi
E A Am7
Para a comida das orcas: Krill
E
Para o telefone que toca
E6
Para a água lá na poça
F#/E
Para a mesa que vai ser posta
E A Am7 E
Para você o que você gosta: Diariamente

sábado, 5 de dezembro de 2009

Hachiko

O fiel Hachiko deixou uma lição sobre amizade e bondade num mundo em que os homens muitas vezes esquecem-se de retribuir o afeto dos animais. Em todo dia 8 de abril, centenas de pessoas se reúnem na estação de trem de Shibuya, em Tóquio, para homenagear a lealdade e a devoção de Hachiko a seu dono, Dr. Eisaburo Ueno, um professor da Universidade de Tóquio. Hachiko nasceu em Odate, na província de Akita, em novembro de 1923. No ano seguinte, foi levado para Ueno, que já queria um cão Akita havia muito tempo. O cão foi originalmente chamado de Hachi, mas logo começou a ser chamado pelo diminutivo carinhoso: Hachiko. Dono e cão tornaram-se amigos inseparáveis e, todos os dias, seguiam juntos até a estação de Shibuya, onde Ueno pegava o trem para ir trabalhar. Todo dia, às 15 horas, Hachiko voltava até a estação, sozinho, para esperar seu querido dono e voltarem juntos para casa. Mas em 21 de maio de 1925, Ueno não voltou para casa. O professor havia sofrido um derrame na Universidade e faleceu.


Naquele dia, Hachiko foi esperar por seu dono na estação, como de costume, e lá ficou até a madrugada. Parentes e amigos de Ueno passaram a cuidar do cão, que voltou todos os dias, de manhã e à tarde, para esperar por Ueno. Na estação de trem, Hachiko tornou-se conhecido por todos que ali trabalhavam ou que pegavam o trem. Até que em 8 de março de 1935, aos 11 anos de idade, Hachico morreu. Foi encontrado no mesmo lugar da estação em que por anos havia esperado pelo dono. Hachiko foi taxidermizado e seu corpo empalhado pode ser visto no Museu de Ciência Natural em Tóquio, no Japão. Sua lealdade ao dono tornou-se um marco na região e a história, aos poucos, foi ganhando o mundo. Um ano antes da morte de Hachiko, uma estátua de bronze feita pelo artista Ando Teru foi erguida com honrarias na entrada da estação de Shibuya. Com a Segunda Guerra Mundial, a estátua foi derretida para ser usada em materiais bélicos. A história foi esquecida até que em 1948, uma entidade organizada para recriar a estátua de Hachiko, o símbolo de afeto e lição para os homens, convidou Ando Tekeshi, filho do escultor original, para recriar a obra.

*Esse texto foi tirado do informativo mensal do LCA (Lar dos Cães Abandonados). Eu recebo o informativo mensalmente pois sou um colaborador. Se alguém se interessar e quiser saber mais, clique no link abaixo:

sábado, 28 de novembro de 2009

Provérbio Indigena



Só depois

que a última árvore for derrubada ,

o último peixe for morto ,

a última gota d'agua for desperdiçada ,

o último rio for envenenado ,

é que vocês irão perceber

que dinheiro não se come."

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Talvez nem tenha Acontecido...


Eu lembro sempre de uma estória que me persegue como se fosse um fantasma... uma alma penada... dizem que quando a gente escreve alguma coisa depois esquece... essa é a intenção... na verdade acho que não devia contar pois não aconteceu hoje, mas não é tão antiga assim... prefiro só dizer que foi "ontem". Se você, sobre quem eu estou falando, ler isso algum dia, já peço perdão antecipadamente. Se arrepender ? Há tempos não me arrependo de nada do que digo ou do que faço. Mas acho que você lerá e nem saberá que é sobre você.

"Andei o dia inteiro preocupado sobre minha ida ao hospital. Ficava com medo do meu chefe pedir prá eu fazer hora extra. Como eu iria justificar prá ele minha negação em ficar até mais tarde no trabalho ?

- É prá ver um bebê que nasceu chefe !

Talvez em algum conto de fadas ele iria responder:

- Claro, claro ! Fique a vontade ! Pode deixar que eu cancelarei o serviço ! A prioridade é a vida ! Vá com Deus !

Nunca ele iria agir daquela forma... naquele mesmo dia, logo cedo, eu lhe disse:

- Bom dia !

- BOM DIA POR QUÊ ???

O fato é que a vida conspirou e não foi necessário ficar até mais tarde. Não via a hora de partir pois estava com o corpo em Guarulhos e a mente em Mogi. Tinha ido de carro prá chegar mais rápido e chegar, também, dentro do horário de visitas. Naquela época possuía meu "Uninho" branco que eu tanto adorava... kkk... Levei quase uma hora prá chegar em casa. Tomei um banho e fui no hospital. Enquanto andava com meu carro pelas ruas da minha cidade pensei em levar algum presente. Não vinha nada em mente. Achei que a visita era o melhor presente. Em frente ao hospital, achei uma vaga e estacionei. Já estava escuro. Logo se "materializou" um flanelinha, que quase me matou de susto. Concordei em que ele olhasse meu carro mais por medo de que ele riscasse o mesmo do que por caridade. Cheguei na recepção e peguei informações. Me identifiquei com a atendente e foi me dado um crachá. Tudo ok, pois estava no dia e no horário certo para visitas. Achei lindo o hospital... bem diferente do que eu havia visto nos hospitais públicos. Gostaria que todos pudessem ser atendidos em hospitais como esse que eu estava. Já acompanhei uma pessoa nos seus últimos dias em um hospital público. É uma realidade bem diferente do que eu vira naqueles corredores onde estava minha amiga. Subi escadas. Cheguei no andar e na ala que eu procurava. Encontrei outra atendente que me esclareceu com um sorriso:

- O quarto é aquele de onde está saindo o choro de bebê... kkk...

Era possível ouvir o choro em todo andar. Eu fiquei preocupado ! Talvez fosse inconveniente visita-la naquele momento. Pensei em ir embora. A enfermeira, já acostumada com reações assim, me disse prá eu ir lá e bater de leve na porta. Lá fui e bati. Nada. Bati de novo. O choro não parava... Entrei por minha conta, abrindo a porta devagar e pedindo licença. Quem ouviria meu singelo "licença" no meio daquela gritaria de choro de criança ? Foi aí que aconteceu o fato... como eu poderia classificar... bizarro talvez... Minha amiga estava deitada na cama. Ela tentava dar de mamar para a criança. O seu marido, aflito, a tentava auxiliar. Eles não haviam me visto entrar. Quando olhei o rosto da criança ela berrava tanto que chegava a ficar com o rostinho vermelho. Nesse instante a criança me olhou e parou e chorar... e... sorriu ! O que eu senti naquele instante eu não sei nem como expressar... desejava ser o pai daquela criança. Senti vontade de chorar mas resisti. Meu amor por ela era acima de qualquer amizade, qualquer interesse e qualquer outra coisa. Ver minha amiga feliz era minha felicidade. Isso é o que importava. A criança havia parado de chorar de forma tão repentina que o casal virou lentamente a cabeça em direção a porta prá ver o que a criança estava olhando e o que supostamente a fez parar de chorar. Eles me viram e disseram ao mesmo tempo:

- TADEU !!!

Sempre acreditei no amor, num amor que a maioria das pessoas ainda não entende, ou não está apta a entender. Então abracei o rapaz com muito carinho e fiz votos que Deus abençoasse muito essa criança. A moça eu só dei um beijo no rosto pois ela estava com os movimentos muito limitados devido a cesariana. Achei incrível aquela cena da criança recém nascida me sorrindo mas parece que eles não repararam nisso... o mais importante eles não notaram. A criança logo voltou a chorar um choro de fome novamente. Ela não conseguia mamar. Foi necessária orientação da enfermeira para que a criança pudesse se alimentar no seio materno. Acabou o horário de visitas. Fui embora. Fui pegar meu carro e dei umas moedas pro flanelinha. Fiquei pensando em todas voltas que a vida dá e em nenhuma volta que a minha vida dava... Fui dormir fazendo minhas preces costumeiras pois sempre acreditei MUITO em Deus. Pensei que devia haver algum motivo prá eu passar por isso. Algum motivo que eu não podia compreender..."

Na verdade eu nem sei se isso aconteceu mesmo ou se foi um sonho...

De qualquer forma, espero que dê certo e eu não pense mais nisso.

Assim espero... kkk...

domingo, 15 de novembro de 2009

Antes de Partir

(...)

- Sabia que o único cachorro que foi atingido por um raio estava bem aqui no Egito ?

- Devia ter te conhecido antes de adoecer... kkk...

- kkk !!!

- Sabe... teoricamente... a gente podia riscar dois ítens: ver as pirâmides e vislumbrar alguma coisa grandiosa. Acho que não há nada mais grandioso do que isso...

- Espere até ver a minha montanha !

- Ah, é ! Sua montanha... mas isso... é sensacional !

- Sabia que os antigos egípcios tinham uma bela crença sobre a morte ?

- (...)

- Quando as almas deles chegavam no paraíso, os deuses perguntavam duas coisas... as respostas determinariam se eles entrariam ou não.

- Tá bom... quais eram... as duas perguntas ?

- Encontrou alegria em sua vida ?


- (...)

- Responda a pergunta !

- Eu ?

- É !

- Responder a pergunta... se encontrei alegria na minha vida ?

- É !


- ...sim... e a outra pergunta ?

- Você proporcionou alegria aos outros ?

- (...)


quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Aeka




Iluminando...


"Quem dá o bem
é o primeiro beneficiado;
quem acende uma luz
é o que se ilumina
em primeiro lugar."


André Luiz


Nikka, Argila e Bailinho

Exatamente onde é a entrada principal do Mogi Shopping hoje, estávamos eu e o Durval, em uma época em que nem se imaginava que haveria um Shopping naquele local. Nós brincávamos com nossos estilingues e tentávamos acertar os cachos de mamonas que existiam aos montes ali. Também brincamos um pouco de empilhar latas e as derrubar com pedras arremessadas com o estilingue. Depois começamos a seguir uma trilha de formigas saúva. Eu ficava admirado e fascinado de olhar aqueles insetos cortando e carregando pedaços de folhas que tinham tamanhos incríveis em comparação a eles. As pequenas trilhas de formigas iam convergindo para outras grandes onde havia um enorme fluxo de formigas que iam e vinham. Conseguimos achar o formigueiro no local onde hoje é o posto de gasolina que fica atrás do Shopping. Alí havia uma verdadeira "floresta" de pés de mamona ! Nós estávamos no meio dessa folhagem. Logo a nossa frente havia um grande casarão antigo que, durante muito tempo, esteve abandonado mas que, agora, era ocupado por uma enorme família carente que havia invadido o imóvel. Por entre as folhas de um grande pé de mamona nós podíamos ver as crianças maltrapilhas a brincar com barro e gravetos. O Durval, depois de fazer uma expressão de admiração, apontou com o dedo para uma das crianças e disse em voz baixa:

- Olha a puta ! A puta !

Eu não fazia idéia do que ele estava dizendo pois essa palavra não constava no meu vocabulário até então. Eu não entendia o sentido da palavra "puta". Olhei para a menina prá ver se ela me dava alguma pista. Ela devia ter uns nove ou dez anos como nós... cabelos claríssimos e pele branca como dos alemães e olhos verde claro. Usava um vestidinho surrado e, não fosse maltrapilha e desnutrida como as outras crianças, pareceria uma princezinha... Então eu concluí, em meus pensamentos:

- Ele deve estar querendo dizer que ela é bonita... deve ser isso !

Essa menina eu vim a reencontrar no Camilo, muitos anos depois, mas essa é outra estória... kkk. Cansamos de ficar espionando aquela casa e fomos mais para o meio do terreno pegar um pouco de argila prá brincarmos. Lá havia argila de três cores: branca, rosa e marrom. Levei um pouco prá casa. Amoleci com um pouco de água e, junto do Sandro, fizemos pequenos bonecos com a argila. Deixamos no sol mas quando as "esculturas" secavam elas ficavam quebradiças. A noite meu pai viu e nos disse que ia comprar um produto que daria dureza para a massa. Na próxima segunda feira a tarde ele nos levou no centro de Mogi prá passear e prá comprar o produto na única loja de artesanato que existia naquele tempo. O homem da loja nos ensinou a dosagem certa do produto que iria ser misturado na argila e água prá formar uma massa uniforme. Meu pai também comprou um frasquinho de tinta prá pintar nossas obras. Cada um de nós fez uma estátua mas meu pai fez um elefante verdadeiramente admirável ! No sol ele secou rapidamente e logo foi pintado. Foi colocado em cima da nossa velha e enorme TV em preto e branco, em cima de um paninho que havia sido bordado pela minha mãe. Eu adorava ver aquele elefante de argila em cima da TV... por muito tempo eu ligava a televisão mas assistia o elefante de barro... kkk... A noite o André passou em casa:

- Vou fazer um bailinho na sexta a noite ! Você vem ?

- Você vai convidar a Artemis ?

- Claro que sim ! Leve seus discos, tá ?

- Tá bem !!!

Naquela semana, durante todas as noites, nós brincamos muito de "Gim"(lê-se djim, como na palavra adjetivo). Prá quem não sabe é assim: divide-se a patota em dois grupos. Cada grupo fica encarregado de proteger um poste escolhido, que nós chamávamos de "Gim". Enquanto estávamos com uma das mãos no Gim, ficávamos protegidos mas quando nos afastávamos do poste,


poderíamos ser capturados pelo grupo rival e "presos" no Gim do inimigo. Sempre quem deixava o Gim por último é que tinha o poder de capturar quem tinha saído antes. Aqueles que estavam capturados no Gim do inimigo poderiam dar as mãos para ficar mais fácil o resgate pelos amigos que não haviam sido pegos. Ganhava o grupo que capturava todos outros. (...)

O tempo passou rápido e logo chegou o dia do bailinho. Na sala da casa do André, no começo da noite, se encontrava um grupo de umas doze ou treze crianças; meninos e meninas. O meu disco de "Hit Parade" fazia o maior sucesso ! Só rolava música romântica e as meninas estavam adorando. Quando estava tocando "Nikka Costa", eu pedi prá dançar com a Artemis. Ela era alta, cabelos compridos e da cor de mel e era, também, descendente de gregos. Nós começamos a dançar juntinhos e eu já podia sentir o perfume que evolava de seus lindos cabelos. Eu estava no céu, até que senti que alguém me cutucou o ombro: era o André... e me entregou a vassoura ! Eu fiquei irritado mas disfarcei, já que nosso bailinho era o "bailinho da vassoura"... kkk...



Quando acabou a musica, a mãe do André acendeu a luz e nos ofereceu refresco gelado. Era o sinal que estava tarde e que a festa havia acabado. No sábado combinamos de ir pegar peixinhos em um pequeno riacho que existia atras de onde hoje é o


"Abomoras", mais para o lado da Av. Eng. Miguel Gemma. Fomos com nossas latas, frascos e peneiras de bambú. O riacho era raso e a água cristalina. Na minha peneira vinha de tudo, desde pequenos e coloridíssimos "lebistes" até minúsculos camarões de água doce. Eu gostava muito quando na minha peneira apareciam uns peixes que pareciam umas cobrinhas pois eram incomuns e disputados. A princípio eu colocava os peixes em frascos de maionese mas, um dia, meu pai me comprou um pequeno aquário onde coloquei os peixes e os camarões. As pedras e as plantinhas eu pegava no próprio riacho.



Assim eram as nossas brincadeiras e nossos brinquedos...



sábado, 17 de outubro de 2009

O Essencial é Invisível aos Olhos


.:★:.

" - A gente só conhece bem as coisas que cativou (disse a raposa).
Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma.
Compram tudo já pronto nas lojas. Mas como não existem
lojas de amigos, os homens não têm amigos.

- Se tu queres um amigo, cativa-me."

(Antoine de Saint-Exupéry)

.:★:.

domingo, 20 de setembro de 2009

Menina Afegã


Sharbat Gula foi fotografada quando tinha 12 anos pelo fotógrafo Steve McCurry, em Junho de 1984. Foi no acampamento de refugiados Nasir Bagh do Paquistão durante a guerra contra a invasão soviética. A sua fotografia foi publicada na capa da National Geographic em Junho de 1985 e, devido ao seu expressivo rosto de olhos verdes, a capa converteu-se numa das mais famosas da revista e do mundo. Sharbat Gula nunca teve idéia do impacto causado pela sua foto nas sociedades ocidentais.

Estrelas Cadentes

SONHO - "Estava com meus pais em uma casa que eu sabia que era nossa, mas era diferente e localizava-se em outro lugar. Parecia que tudo estava um caos na rua. Pessoas corriam. Outras invadiam a casa e passavam correndo. Nós tentávamos pregar madeiras nas portas para evitar a invasão de pessoas ou animais mas... tudo em vão. O clima era de desespero. Decidimos fugir de casa como se "algo" estivesse para acontecer. Saimos agachados e na rua tudo era loucura... tudo estava... como posso dizer... "avermelhado"... Nos escondemos atrás de uma rocha enorme e arredondada. Reparei que algumas estrelas cadentes apareceram no céu. Eram muitas e fiquei deslumbrado com a beleza da cena. Três estrelas começaram a vir na nossa direção e isso me alegrou. As achei muito bonitas ! O estranho é que elas aproximavam-se mas continuavam pequeninas, como três diminutos pontos brilhantes. Quando elas chegaram bem perto, abrí a mão direita convicto de que iria pegá-las. No instante que tocaram minha mão, elas a atravessaram e fizeram três pequenas feridas. Lembro-me que até senti queimar nos três pontos onde as estrelinhas passaram. Fechei a mão convulsivamente em direção ao peito, protejendo-a com a outra mão e agachei perto dos meus pais, atrás da rocha. Eles tinham feito o gesto de que iam levantar mas eu disse para abaixarem pois tive medo que outras estrelas pudessesm os queimar também."

A primeira coisa que fiz quando acordei foi olhar para a palma da mão direita... =)



*imagem: A noite Estrelada (Vincent van Gogh)

06.02.2006

domingo, 13 de setembro de 2009

Sonhos de uma Noite de Verão


"Há quem diga
que todas as noites
são de sonhos.
Mas há também
quem garanta
que nem todas,
só as de verão.
No fundo, isso
não tem importância.
O que interessa mesmo

não é a noite em si,
são os sonhos.
Sonhos que o homem
sonha sempre,
em todos os lugares,
em todas as épocas do ano,
dormindo ou acordado."
 

William Shakespeare

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Três Poemas


...ESPELHO


.......Não me sinto criança;
.......não me sinto adulto;
.......não me sinto velho.


............Sinto que só tive começo...
............É o que eu vejo
............quando olho no espelho.



QUANDO...



Quando chegar minha hora
no dia que chegar o dia

de toda minha vida
passar diante dos meus olhos
haverá
o antes
e haverá o depois
de eu te conhecer.


No antes

verei imagens de minha vida...


No depois
só existirá seu rosto...
seu carinho...
seu amor...

RELÓGIOS

Inventaram o relógio
não com o objetivo
de criar uma nova forma
de tortura

mas ele faz o tempo se arrastar,
quase sempre.
Este mesmo relógio
faz, as vezes,
vinte e quatro horas passarem
num pisc
ar de olhos.

Um provérbio diz
"o que é bom
dura pouco"

o que leva a crer
que nós fazemos
poucas coisas
que realmente gostamos.

Eu sempre quis ter
o dia e a noite e,
apesar de eu ter jogado
meu relógio fora,
vejo-os por toda parte
e todos me perguntam
"-Que horas são ?"


*imagens: Marco Antonio, Escher, Gaiman, Dali e Mad.
*textos: 1 e 2 - agosto/2009 ; 3 - julho/1990
.

domingo, 30 de agosto de 2009

Céu e Inferno

“- Diga-nos... Por que nós
o deixaríamos ir ?
Com ou sem elmo,
você não tem nenhum poder aqui...
Que força tem os sonhos no inferno? ”

“- Você diz que não tenho poder?
Talvez tenha razão...
Mas dizer que os SONHOS
não têm nenhum poder aqui?
Você Lúcifer... Diga-me...
E todos vocês... Perguntem-se...
Que poder teria o INFERNO,
se os prisioneiros daqui
não fossem capazes
de sonhar com o Céu? ”

Sandman

domingo, 23 de agosto de 2009

Três Sílabas

Estávamos quase nas férias de julho. Eu fazia Eletrotécnica e a Nani fazia Edificações. Eu estava tranqüilo sob esse aspecto mas ela estava muito preocupada pois havia uma grande possibilidade dela ficar de recuperação. Eu só ia na escola prá responder a chamada mas já havia fechado em todas matérias... mas uma coisa me preocupava. É que eu percebi que estava começando a gostar da Nani... antes era um sentimento tão pequenino que parecia como um minúsculo broto que iniciara a saída da semente, quase de maneira imperceptível. Depois, quando notei que esse sentimento crescera, comecei a rejeitar isso com todas as forças pois não queria trair a confiança de minha estimada amiga... mas ela não ajudava ! Vivia me procurando prá conversar, prá levá-la até o ponto e constantemente escrevia-me cartas e poesias. Isso me deixava muito confuso ! Uma noite estávamos entrando na escola e ela me disse, aflita, que esquecera na sua própria casa o trabalho que havia feito... o trabalho que supostamente a deixaria fora da recuperação. Nesse instante me passou pela cabeça uma idéia de como saber se ela gostava de mim mesmo... é melhor errar tentando do que não errar e não tentar... kkk...

- Eu posso te ajudar Nani !

- Pode ???

- Sim... mas vai ter um preço... kkk...

- O que você tá pensando ?

- Eu posso ir em casa e em duas horas voltarei com o trabalho !

- Ah, e quanto isso vai me custar ? kkk...

- Um beijo seu !

- Ah, seu pilantra ! kkk...

- Aceita ?

- Fechado !

O trabalho era moleza ! O professor deu "sopa" prá ela e pediu esse trabalho só prá ter um motivo para não deixá-la de recuperação. Era um pequeno estudo sobre os deuses da Grécia. Dei meia volta e fui prá casa. Pesquisei nos meus livros e achei um texto resumido. Datilografei tão rápido como nunca havia datilografado antes... kkk... Terminei o texto e deixei alguns espaços prá colar as figuras. Voltei prá escola com o livro. Lá tirei xerox das imagens dos deuses, recortei e colei. No horário do intervalo o trabalho estava pronto. A Nani viu e ficou emocionada... ela não acreditava que eu tinha sido capaz de fazer tudo aquilo tão rápido ! Ela tentou pegar o trabalho de minha mão.

- Negativo. E o combinado ?

- Ok !

Ela me deu um beijo rápido e, ao mesmo tempo, tirou o trabalho da minha mão. Saiu correndo...

- EI ! ISSO NÃO É BEIJO ! QUERO MEU BEIJO DE VERDADE ! VOLTA AQUI SUA SACANA !

Corri atras dela mas era tarde... ela fugiu de mim rindo muito e entrou em sua classe. Depois notei que um fio de cabelo castanho havia ficado preso em meus óculos. Esse fio de cabelo eu guardei por muitos anos...

Na semana seguinte já estávamos de férias. Eu estava em casa no fim da tarde de sábado tomando meu café.

- Oi Nani !!! Porque você não avisou que viria aqui hoje ?

- Surpresa !

- E se eu não tivesse em casa ?

- Sem problemas... eu conversaria com sua mãe !

Ela entrou e me disse que queria passear pela cidade. Ela dizia que o Itaim não era tão bonito quanto Mogi... Tomei um banho, me troquei e fomos passear pela cidade. Conversamos muito. Eu ficava admirado como ela lembrava tão bem das estórias que ela ouvia na "Jovem Pan" no "Café com Bobagem". E quanta bobagem... mas eu achava muito engraçado... kkk... Começamos a sentir fome. Paramos prá comer um cachorro quente. Fomos comer na praça João Pessoa, em frente ao Hotel Blinder. Já escurecera. Agora já estávamos na praça João Antonio, em frente ao INSS. Sentamos num daqueles bancos que não tem encosto, um de frente para o outro.

- Já tá ficando tarde Nani. É melhor você ir. Sua mãe pode estar preocupada !

- Leia isso:

Ela me entregou uma folha manuscrita com sua caligrafia característica:


...............Acabar ?

......................................................Continuar ?

.........................Intervir ?

...............................................................................Egoísmo ?

........................................Tempo ?

.....Futuro - hoje ?

.............................................Cadê a resposta ?


................O tempo está sem tempo !
..........Nem o tempo sabe me responder.
................O futuro é hoje, o tempo passou,
..........e eu não tive a resposta.
................O tempo está confuso, ele não sabe de mim,
..........não sabe dele.
................Verão no outono e vice versa !
................Ninguém diz o que queremos ouvir
................no momento que queremos ouvir,
..........mas há quem diga o que nunca
................imaginei ouvir !

Fiquei sem jeito. Era uma poesia complicada. Eu precisava ler mais algumas vezes prá entender o sentido. Ela me perguntou se eu tinha algo prá ela:

- Eu tenh... ou melhor, não tenho...

- Você não sabe mentir. O que você tem aí ?

- Ai amiga, é a coisa mais cafona que já escreví ! kkk... Não quero que você veja ! Ainda está no rascunho... eu esqueci no bolso da calça ontem...

- Agora é tarde... quero ver !

- Está certo... mas é você que vai ler, tá ?

- Tudo bem... kkk...

Então eu entreguei uma folha amassada e dobrada quatro vezes, com letras escritas a lápis:

........"Três Sílabas"

........Existe palavra mais bonita que "namorar" ?
........O timbre é dos mais lindos
........e a confecção gramatical é perfeita.

........Um mar de promessas
........e um universo de esperanças
........estão ali nas entrelinhas...

........Que palavra pode ser mais bonita ?
........Ela me lembra o doce calor de mãos delicadas,
........o brilho confortador de um olhar,
........o aconchego seguro de um abraço,
........a ternura em gestos e atitudes
........e o mergulho nas águas cálidas
........da amizade incondicional.

........São apenas três sílabas que,
........montadas ou vistas sob outros ângulos,
........geram outras palavras como: cafuné, sorvete,
........pipoca, cinema... alegria !!!

........Ainda assim eu ouso indagar:
........existe palavra mais linda que "namorar" ?

........Sim é a resposta
........pois a palavra mais bonita que "namorar"
........é a palavra "sim" !

Eu fiquei perplexo com a expressão facial dela, enquanto lia. Fiquei esperando as gargalhadas costumeiras, mas ela estava demonstrando muita emoção no rosto. Terminou a leitura e me disse:

- Feche os olhos !

- Ok !

Ela me deu um beijo (um de verdade, não igual ao dia do "trabalho") e me disse:

-Quer namorar comigo ?

- Claro que sim ! Será uma grande honra prá mim namorar com você ! kkk...

E assim, pisamos naquela praça como amigos e saímos de lá como namorados... foi um dia muito marcante !

O tempo passou... ela conheceu uma idelologia religiosa diferente da que eu professava... ela começou a me dizer que o Deus verdadeiro estava entre as paredes frias do templo em que ela freqüentava... ela me disse que a minha religião era uma abominação e rompeu comigo. Ela sabia que eu não ia abandonar a minha crença tão facilmente. Nunca mais quis falar comigo. O que eu senti nessa época eu prefiro cobrir com o véu do esquecimento. Mas, enfim... me conformei em aceitar a vontade Superior e a dizer prá mim mesmo:

- Que seja feita a Sua vontade antes da minha...

sábado, 22 de agosto de 2009

Atemporal


.............Você tem algo
.............dentro de sua mente
.............que pulsa e brilha maravilhosamente
.............e, apesar de ainda não entender,
.............sei que tenho que trabalhar
.............para conquistar esse senso.

.............Eu tenho algo
.............no interior do meu coração
.............que é como se fosse
.............uma jóia etérica e inestimável
.............que você não compreende
.............mas interiormente você sabe
.............que um de seus desafios
.............é trabalhar para adquirir esse sentido.

.............Amiga querida:
.............Já passamos pelas cortes Egípcias,
.............participamos das intrigas Romanas,
.............tivemos momentos de paz junto aos Essênios,
.............sofremos juntos nas masmorras de Constantino,
.............morremos lado a lado fugindo da Cidade Proibida,
.............caímos de joelhos diante do Mestre,
.............verdadeira encarnação do Amor...
................hoje estamos aqui,
.............num mundo inconcebível há milênios atrás !

.............Tudo passou,
.............tudo passará
.............exceto nossa amizade
.............que é algo atemporal."

*poema dedicado a Eidy Lian Cabeza

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

O Amor Venceu

"DESERTO ESCALDANTE
ALMA PERAMBULANTE
SEDE DE AFETO
VENTANIA DE AREIA
DESEJO QUE SE INCENDEIA
SEM RUMO CERTO
NOITE DE TORPOR
MEDO ATERRADOR
NASCIMENTO DA FLÔR
FLÔR DO IMPOSSÍVEL
CALOR INVISÍVEL
PRISÃO SEM GRADES
GRANDES PROVAÇÕES
VITÓRIAS E DESILUSÕES
NO PODER DE SE CONQUISTAR
APRENDENDO A SE CURAR
SE TUDO VALEU
O AMOR VENCEU..."

¬ Zíbia Gasparetto ¬

domingo, 2 de agosto de 2009

Criação do Feminino


............."Há muitas eternidades,
.............quando luz e matéria eram uma coisa só,
.............o Engenheiro Maior
.............saiu pelo infinito jardim do cosmos
.............embelezando a sua obra de perfeição.

.............Com seu pincel imaterial
.............salpicou o éter com galáxias e constelações,
.............colocou lindos anéis em Saturno;
.............com cores astrais
.............transformou Júpiter num gigante
.............sob todos os aspectos
.............e coloriu a Terra com o mais fascinante azul.

.............Depois, pegou a graça das andorinhas,
.............a delicadeza das borboletas,
.............o perfume das flores
.............e outros ingredientes misteriosos
.............criando, assim, a mulher,
.............obra prima de suas criações.

.............Tirou pequenas frações, pitadas mesmo,
.............da essência amorosa e emotiva da mulher,
.............juntou com energias primárias
.............vindas do seio da Terra
.............e criou o homem
.............para que esse também colaborasse,
.............junto com a mulher,
.............na obra de evolução e beleza
.............que é a vida !"


*imagem do blog de Juliana Scheid - desenhos e ilustrações

sábado, 25 de julho de 2009

Nanda


Eu estava acima do peso, com um desvio na coluna e com um cisto no pulso esquerdo quando sai da Eletropaulo. Também estava um pouco estressado com todo processo de privatização que a empresa passava. O pessoal dizia que ela era uma "mãe" mas que estava virando uma "madrasta"... kkk. Quase onze anos eu trabalhei ali mas, naquele momento, achei mais prudente aderir ao plano de demissão voluntária. Quando saí de lá fiquei meio perdido pois aqueles horários malucos de revezamento, o tempo que eu perdia dentro de ônibus e as constantes horas extras deixaram minha mente fora da realidade... tanto é que quando entrei na academia eu disse prá Lú um dia, depois do treino:

- Bom fim de semana Lú !

- Cláudio, hoje é quarta feira !!!

Mas, voltando a Eletropaulo, eu fiquei desempregado... Calculei que poderia ficar um ano tranqüilo, fazendo tudo que eu sempre gostei: música, desenho e arte. Resolvi dar um tempo prá mim mesmo mas, fisicamente eu estava em um péssimo estado. Era necessário trabalhar o corpo e a mente. A Academia Ação fica quase em frente de casa. Eu não tinha desculpa prá não ir, pela proximidade e pelo preço. Sentia vergonha de como eu estava... mas a academia não era prá isso mesmo ? Melhorar o corpo e a mente das pessoas ? Então passei por cima do medo e da vergonha e lá me inscrevi. Como dizem, "fiquei mais perdido que cachorro que cai de caminhão de mudança" no meio daqueles jovens mas o apoio que eu recebi do Cristhian e da Luciane foram muito importantes prá mim... eles não fazem idéia de como me ajudaram com os constantes incentivos que faziam, durante os primeiros dias de treino ! Aos poucos fui me adaptando e conhecendo pessoas... Alguns meses depois trocou a moça da recepção. A Fernanda entrou no lugar dela. Logo ficamos muito amigos. As vezes perdia um bom tempo conversando com ela ali na entrada da academia... kkk. Não lembro sobre o que falávamos, um dia desses, que o assunto acabou convergindo para tatuagens... até aquele dia eu nunca havia reparado nas tatuagens das pessoas. Não dava muita importância a isso. A Fernanda me contou, então, que tinha uma tatuagem no pé. Tirou o pequeno calçado e me mostrou uma discreta e bonita tatuagem que era uma homenagem a seus pais. Achei linda aquela tatuagem e, depois daquele dia, comecei a reparar mais nisso. Um tempo depois jogaram na garagem de casa uma revista gratuita que tinha uma moça chamada Majoy Pinhal na capa. Ela tinha uma tatuagem incrível nas costas ! Fiquei morrendo de vontade de fazer um desenho dessa imagem. Mas achei que ficaria estranho desenhar tudo em grafite pois ficaria muito "preto e branco" e a imagem original era muito colorida ! Pensei então em fazer alguns detalhes em grafite e outros em lápis de cor. Nunca havia feito isso mas o efeito foi acima das minhas expectativas ! O desenho ficou muito bonito ! Em seguida estão algumas imagens ampliadas prá que fique melhor de ver os detalhes... não me perguntem sobre o trabalho que tive prá fazer esse desenho... kkk...



Logo depois de desenhar a Majoy Pinhal, eu separei uma antiga imagem que eu havia tirado de uma revista de surf. Essa foto, com certeza, ficaria ótima em preto e branco do grafite ! Aproveitei o "embalo" e iniciei o desenho logo em seguida. Eu o chamei de:








"Vento


no


Litoral"











Hoje estou meio devagar em relação aos desenhos pois não tem sobrado muito tempo prá isso... quem dera viver só de arte... kkk... Valeu Nanda !!! Foi graças a você que eu fiz esses desenhos, principalmente o primeiro !

*"Restu kun Dio estimata amikinon !!!"
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...